If I could see you, everything be allright...

home ask mine faq

A gente cresce, e vê que as coisas são bem diferentes de tudo o que a gente imaginava. Estamos todos os dias, acordando e lutando contra o tempo, lutando para conseguirmos algo que ninguém sabe realmente o que é. online.


© relevada
Jamais pense que você saiu da minha vida porque decidiu. Desculpa, mas eu só desisto das coisas que não me interessam mais.
Sean Wilhelm.
Nunca, jamais, por hipótese nenhuma nos deixe dormir brigados. Mesmo que você já esteja discutindo de olhos fechados pelo sono, precisa me prometer que irá me abraçar e dizer algo do tipo: amanhã podemos continuar brigados, mas agora quero que você saiba que é o amor da minha vida.
Luara Quaresma. 
Meu problema não é pensar demais. Meu problema é querer entender.
Odeio Rótulo. 
Não vale a pena insistir em algo que não existe, o amor deve ser recíproco e ele estará sempre numa balança, medindo os teus sentimentos. Se você gosta de alguém e esse alguém não sente o mesmo por ti, a balança só vai pesar para o teu lado e você irá cair sozinho.
Enzo Menezes. 
Ele tem um sorriso encantador, e um jeito mais ainda. E foi assim que ele me encantou.
Ele ♥
Fechou os olhos. Respirou fundo. Procurou coragem, aquela coragem que havia se escondido a vida inteira, que tinha lhe deixado na mão, fazia com que ele ficasse para trás sempre, aquela mesma coragem que sumiu quando ele tentou conquistar o amor da sua vida, que foi embora quando ele queria conquistar seus sonhos…Aquela coragem que, agora veio com tudo pra compensar todas as vezes que esteve em falta. Ali estava, ele encontrou. E foi essa coragem, que ele tanto custou a encontrar, que o permitiu fazer o que fez. Fechou os olhos. Respirou fundo. E deu o passo final, o seu último passo. Naquele instante ele ficou feliz, havia encontrado o que procurara a vida inteira. Se permitiu até mesmo um sorriso, o último. Fechou os olhos. Respirou fundo. E deu o passo final. Resolveu enfrentar o mundo de frente. Caiu. Parecia uma eternidade, por um momento silêncio, esqueceu de tudo, foi feliz por alguns segundos, se sentia livre, estava voando…Depois barulho, mas durou apenas alguns instantes o barulho da movimentada grande São Paulo. Logo depois, novamente silêncio. Dessa vez o silêncio não acabaria. O seu último o ato, o de maior coragem….Se permitiu a liberdade de se perder na escuridão, naquela grande e silenciosa escuridão que era a morte.
Dama-Desconhecida
O meu amor era um barquinho de papel que foi engolido pelo seu mar de ilusões.
Giovanna Rezende.
Todos falam de amor, a maioria realmente ama, a maioria sabe das qualidades e defeitos do amor, sabem viver a dois, viver por dois ou almenos tentao viver esse sentimento da forma mais pura singela e cabe a quem ama viver da melhor forma possível, cabe a quem ama desfrutar de um sentimento sublime e recíproco, aquele que ama não a de ser uma árvore morta, em que as sementes não brotarão e que não haverão frutos a serem amadurados, então ame, seja o amor, aproveite a terra fértil, para germinar bons frutos, colha o amor da sua vida, faça um banquete mas nunca fique farto do amor, se entregue a ele, queira sempre mais, se deixe revigorar por esse sentimento.
Wellington f. Gonçalves
Dizem que nos desapaixonamos em seis meses. Eu não concordo. Por mais que a pessoa tenha magoada a gente ou a gente tenha magoado essa pessoa nós sempre iremos levar um pedacinho dessa pessoa com a gente, um pedacinho por qual nós nos apaixonamos. Um sorriso, uma risada, uma mania; os olhos, a boca, as bochechas, as curvas. No começo, lembrar dessas coisas irá doer, mas depois de um mês ou dois, depois que você se conformou, você irá sorrir ao lembrar que um dia esse traço dessa pessoa já te pertenceu, que um dia você já foi o motivo do sorriso dela. E você se apaixonará cada vez que lembrar, e isso vai durar o resto da sua vida. Daqui cinquenta anos, você poderá estar casado, com filhos e netos, nem vai lembrar mais que essa pessoa existe. Mas uma hora ela irá passar pela sua mente, voando como um avião, e você vai se lembrar dos momentos que tiveram juntos, irá se perguntar ‘por onde será que ela anda?’, irá se perguntar se ela está casada, com filhos e netos assim como você ou se morreu. Você vai lembrar da coisa que mais gostava nessa pessoa e sorrirá, e se apaixonará mais uma vez.
Giovanna Rezende.
Talvez, se apaixonar seja como tentar apoiar-se numa pétala de rosa no meio do oceano na perspectiva de não morrer afogado…
A amizade para o presente.
O namoro para o futuro.
E a lembrança para sempre.
— Eu te amo.
— Por que você me ama?
— Eu te amo porque você é meu. Te amo porque você precisa de amor, Eu te amo porque quando você me olha eu me sinto um herói, sempre foi assim. Eu te amo porque quando eu te toco eu me sinto mais homem do que qualquer outro.
— Eu também te amo.
— Por que você também me ama?
— Eu te amo porque quando eu te toco eu faço você se sentir mais homem do que qualquer outro. Eu te amo porque nunca poderão nos acusar de amor. Eu te amo porque para entender o nosso amor ia ser preciso virar o mundo de cabeça para baixo. Eu te amo porque você poderia amar qualquer outra pessoa, mas mesmo assim você me ama.
Butfcku.
Sabe o que é mais difícil? Além de perder alguém que amamos, além de um término de namoro ou então se distanciar de sua melhor amiga? É ter que acordar e perceber que de um dia para o outro seus pais não estão mais juntos, que seus pais se separaram e que você é obrigado a “se acostumar” com essa nova rotina, de não ter seu pai ou sua mãe ali presente todos os dias, como estiveram durante 15 anos. Ter que se acostumar de só ver sua mãe ou seu pai nos finais de semana, apenas por 72 horas por semana, ou menos. No começo é sempre legal, é o que todos falam, “pelo menos você vai ter duas casas”, mas que se foda, que se foda ter duas casas e o caralho a 4. Eu trocaria essas “duas casas” para pelo menos ter meus pais morando juntos, pra poder vê-los todos os dias, para me darem um beijo de boa noite todos os dias. Porque eu sinto falta disso, sinto muita falta.
Nunca pensei que ia ter saudades da minha mãe, mas é, diariamente eu sinto. Foi uma escolha minha morar com meu pai, mas de um jeito ou de outro iria sentir saudades do mesmo jeito, de um ou de outro.
Eu só achei que seria mais fácil, como todos diziam, mas na verdade falar é realmente mais fácil. Eu queria poder passar essa minha dor pra qualquer um, pra ver se diminui o que eu to sentindo, pras pessoas que estão sempre comigo saberem como me sinto, como é foda passar por isso. Mas eu tento, no começo foi mais difícil, chorava o tempo todo, todos os dias, mas eu to tentando ser forte, tentando não me sentir sozinha, mas como eu disse, é foda, é foda passar por isso. Mas todos os dias agradeço a Deus por ter meus pais comigo, e repito toda noite, ás vezes chorando, que tudo passa, que isso vai passar, como sempre foi. E então eu fico assim, esperando, dia-a-dia eu me acostumar com essa dor, com essa saudade, com essa nova rotina.
Zé, eu gostaria mesmo que pudesse me entender. Mas nem eu me entendo. O que eu sei é que tenho facilidade para desapegar com a mesma facilidade que eu tenho para me apegar. As pessoas me desencantam, Zé, e eu as desencanto também. A única coisa que desejo é que, tratando-se dele, seja eterno enquanto dure. E que dure uma eternidade.
Zé, eu sinto sua falta. Falta da época dos nossos sorrisos ingênuos, sorrisos dos melhores amigos do mundo que ainda não haviam sido machucados pela vida. Mas você se foi e eu sinto sua falta a cada minuto.
Zé, quando me vejo triste, imagino quando você me cutucava as bochechas com o dedo e seu sorriso de canto de boca pedindo para que eu me anime. Zé, eu nunca vou conseguir acreditar que nunca mais voltarei a encarar seus enormes olhos castanhos.
De qualquer forma, obrigado por ser uma das poucas lembranças que hoje me fazem sorrir.
Sabe Zé, as vezes a saudade aperta
Felipe, ôh, Felipe… Eu sonhei com ele de novo. E não foi menos incrível do que todos os outros sonhos. Eu imprimi suas palavras e as deixei embaixo do travesseiro como se isso fosse me ajudar a sonhar, mas eu sei que não preciso disso. Já lhe contei do meu medo de não dar conta de tudo o que quero? Tenho fome do futuro. E morrer é inevitável, palavra que se evita, mas não há meio de ignorá-la. E por isso eu sonho, Felipe. É como me disseram uma vez. “Sonhar é bom e travesseiro é barato.” Os meus sonhos o buscam, o procuram, o querem. O que eu faço, Felipe? Olhe o que ele me fez. Estou um caco. Despedaçada em amor e não quero parar de escrever, de pensar e muito menos de amar. É como saber que Vodka pode acabar te matando, mas continuar bebendo o dia inteiro, todos os dias. É um vício. É isso, Felipe. Ele é meu álcool engarrafado em ternuras. O corpo dele é um caminho de incógnitas e, como mulher, vasculho com exatidão sua alma. Você sabe que eu não diria algo de tamanha poetidão, eu me lembro de ter lido isso em algum lugar.
Ah, Felipe, eu só queria algumas certezas. Certezas que me mostrassem que o futuro vai ser bom. Ou isso, ou que a vida fosse como uma carta. Poderíamos inventar, reinventar, desinventar, rasgar, jogar fora e começar de novo. Por outro lado, nunca saberíamos o que teria acontecido se enviássemos a carta original. Você consegue me entender, Felipe? Se não consegue, não lhe culpo. Eu sou como a vida. Nunca fui fácil de se entender, posso ser mal interpretada e também posso surpreender. Você ainda está aí, Felipe?
Só não me deixa Felipe